terça-feira, 6 de outubro de 2015

Anjo do dia 06/10- Mebahiah- Deus imortal- 01/03- 13/05- 25/07- 18/12-

Missão; É aquilo que vc trás de outras vidas.

Missão; Auxilia a superar os obstáculos e a desenvolver a compreensão. Imprime características de bondade, de compaixão, de simplicidade, de otimismo e, ainda, fortalecer a disposição afetuosa Planeta correspondente; Júpiter. Hora da visita que seu Anjo visita a terra; 18h00ás18h19. Salmo; 101. Numero da sorte; 2. Dia da semana; quinta-feira. Nome do Anjo em letras em hebraicas; mem/ beth/ he/ yod/ he. Nome do Anjo em números; 13/ 2/ 5/ 10/ 5.  Carta do taro; A justiça. Mês da mudança propicia para sua vida profissional/pessoal. Agosto. Exerce domínio sobre o povo de Ormuz. Este Anjo ajuda a ter consolação e poder para vencer em qualquer tipo de atividade. Favorece também a proteção ás crianças. Quem nasce sob esta influencia se distinguira por suas benfeitoras, por sua piedade e por seu zelo em amar a Deus e a todos os homens. Saberá o caminho a ser seguido, sempre em busca de novas perspectivas. Entenderá os mistérios divinos, a Doutrina crística e não medirá esforços para planta-los nos sentimentos dos homens. Será um propagador ativo dos conceitos  religiosos e da conservação da moral. Sempre disponível, gosta de sentir-se útil trabalhando para o bem estar da comunidade . Sua vida só terá encanto quando encontrar o parceiro certo, que seguira sua jornada por toda a vida. Sente a necessidade de que a sua existência tenha continuidade através dos filhos, Compreenderá os acontecimentos, principalmente os inesperados, resolvendo-se sempre com ideias novas criativas. Não terá apego ás coisas materiais, que considera apenas consequência da dedicação e persistência no trabalho. Gostará de cuidar do corpo, principalmente para o desenvolvimento muscular. Mesmo diante de seu porte físico, sua natureza é pacifica. Seu Anjo se manifesta de forma espontânea, quando defende alguém que foi injustiçado ou quando faz curas através da impostação das mãos. Produz em torno de si uma aura mística e enigmática, que o deixa elevado apesar de incompreendido.



" - Respondendo as perguntas do catecismo da Igreja da Paz do largo da misericórdia  do Rio Grande Sul.    - " No antigo Testamento tem uma experiência de Saul tentado por maus espirito, (  1 Sm 16;14.) .  Selecionei uma matéria que acho bastante elucidativa sobre esse assunto, que vcs me solicitaram.


Aproveitando a oportunidade quero agradecer os acesos do dia, ( 03/10 ) que foi Record, desde que o blog esta no ar. Muito obrigada, e isso me da animo para continuar escrevendo as minhas historias, meu trabalho é solitário, porem quando vejo os acessos percebo que não estou sozinha. 


QUANDO O ESPÍRITO SANTO SE APODERAR DE TI


Texto: I Samuel 10:6
(5) Depois chegarás ao outeiro de Deus, onde está a guarnição dos filisteus; ao entrares ali na cidade, encontrarás um grupo de profetas descendo do alto, precedido de saltérios, tambores, flautas e harpas, e eles profetizando.
E o Espírito do Senhor se apoderará de ti, e profetizarás com eles, e serás transformado num novo homem.  (7)  Quando estes sinais te vierem, faze o que achar a tua mão para fazer, pois Deus é contigo. 
            O capítulo 9 de I Samuel nos apresenta o jovem Saul, benjamita, filho de Quis, como um jovem muito belo: “tão belo que entre os filhos de Israel não havia outro homem mais belo do que ele” (v. 2).  O texto bíblico explica que duas jumentas do pai de Saul haviam-se perdido e que seu pai o incumbiu de encontra-las.  Saul já estava a ponto de desistir, depois de exaustivos três dias de procura, quando o moço que o acompanhava sugeriu que procurassem “um homem de Deus”:  “Eis que há nesta cidade um homem de Deus, e homem honrado é; tudo quanto diz, sucede assim infalivelmente. Vamo-nos agora lá, porventura nos mostrará o caminho que devemos seguir” (v. 6).
            Esta descrição que o moço que acompanhava Saul fez do “homem de Deus”, Samuel, é tremenda.  Meu Deus, quanta diferença faz numa cidade, num país, a vida de um homem de Deus!
            O verso 15 deste capítulo conta que Deus já avisara Samuel um dia antes da chegada de Saul e preparara o profeta para o que viria a ocorrer.  Assim que Saul chegou diante de Samuel, o Senhor lhe disse: “Eis aqui o homem de quem já te tenho dito...” (v. 17).  E, sem que Saul dissesse nada, o profeta lhe tranquilizou quanto às jumentas, afirmando que estas já tinham sido encontradas.  No verso 20, Samuel pronuncia palavras que pareciam absurdas a Saul: “mas para quem é tudo o que é desejável em Israel? Porventura não é para ti, e para toda a casa de teu pai?”.  Deus tencionava fazer de Saul o rei de todo o Israel!
            Deus tem planos para sua vida, também.  Talvez coisas que você nem possa imaginar:  “Pois eu bem sei os planos que estou projetando para vós, diz o Senhor; planos de paz, e não de mal, para vos dar um futuro e uma esperança.” (Jr 29:11).  Para que os planos de Deus se realizem, é preciso que você submeta sua vontade à de Deus.
            O Senhor tinha, verdadeiramente, grandes planos para Saul.  Isto se confirmou na unção e nas palavras que Samuel disse a Saul no capítulo 10:1 “porventura não te ungiu o Senhor para ser príncipe sobre a sua herança?”.
 a) OS PROPÓSITOS DE DEUS SE CUMPREM NOS HUMILDES
Ao ouvir as grandiosas palavras do profeta, eis a reação de Saul: “Porventura não sou eu filho de Benjamim, da menor das tribos de Israel? E a minha família a menor de todas as famílias da tribo de Benjamim?  Por que pois me falas com semelhantes palavras?”.  Em outras palavras, Saul não conseguia crer que aquelas palavras eram para ele porque se sentia pequeno.
Acontece que a humildade é necessária para que haja dependência de Deus.  Sem esta dependência os grandes planos de Deus não se concretizam em nós.  Assim, a Bíblia ensina a humilde dependência do poder de Deus:  “Deus resiste aos soberbos; dá, porém, graça aos humildes” (Tg 4:6) e “... cingi-vos de humildade uns para com os outros, porque Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes” (I Pe 5:5).
No capítulo 10, verso 22, temos a narrativa de um fato inusitado:  Quando tudo estava preparado para que Saul fosse apresentado por Samuel como o escolhido para reinar sobre Israel, eis que ninguém o achava.  O Senhor foi quem revelou a Samuel onde Saul se escondera: no meio da bagagem!
b) OS PROPÓSITOS DE DEUS SE CUMPREM NOS QUE CREEM
Assim como a humildade, a confiança é crucial para que possamos viver os propósitos de Deus.  O Senhor precisou tratar da dificuldade que Saul tinha de confiar e, para tanto, lhe deu sinais.  Nosso Deus tem esta boa vontade para com Seus servos:  Ele nos ajuda a crer.  Lembre-se do pai do menino endemoniado de Marcos 9:24 que, clamando em lágrimas, pediu a Jesus: “me ajude na minha incredulidade”.
Deus se propôs a dar sinais a Saul para que este cresse:  a) Ele encontraria dois homens junto ao sepulcro de Raquel, que lhe diriam do achado das jumentas e da preocupação do pai com o paradeiro de seu filho;  b) Ele encontraria no carvalho de Tabor três homens em viagem para Betel, sendo que um deles levaria três cabritos, outro três formas de pão e outro um odre de vinho.  Eles o saudariam e lhe dariam dois pães;  c) Ele chegaria uma cidade e se depararia com um grupo de profetas, e se depararia com músicos junto a estes profetas.  Ali o Espírito Santo se apoderaria dele e lhe daria a capacidade de profetizar.
Poderíamos citar diversos outros exemplos na Palavra, semelhantes ao de Saul.  Faço menção de Gideão que, chamado por Deus para uma grande obra, também sentiu-se incapaz.  Deus deu as provas que Gideão pediu para crer:  1o. que se consumisse a carne que ele trazia diante do Senhor (Jz 6:17 e 21);  2o. que o velo de lã ficasse molhado e a terra em redor enxuta (Jz 6:37);  3o. que só o velo ficasse enxuto, e toda a terra em redor molhada (Jz 6:39).
A diferença que há nestes homens que viveram os grandes propósitos de Deus é que, depois de vencerem as dificuldades para crerem, eles passam a confiar de verdade. No capítulo 10:26 e 27, temos a informação de que alguns do povo, chamados “filhos de Belial” desprezaram a Saul e não o aceitaram como rei, porém, “ele se fez como surdo”.
c) SEM O ESPÍRITO SANTO O SIMPLES TRABALHO DE ENCONTRAR DUAS JUMENTAS É COMPLICADO DEMAIS!
O Espírito de Deus faria uma grande obra em Saul.  Esta foi a promessa que Samuel lhe fez:  “E o Espírito do Senhor se apoderará de ti, e profetizarás com eles, e serás transformado em outro homem” (I Sm 10:6).  No mesmo capítulo, nos versos 9 e 10, temos a informação de que “Deus mudou o coração de Saul em outro”.  É justamente isto que o Espírito Santo quer fazer em nossas vidas, mudar os nossos corações, para sermos capazes de viver os planos de Deus.
As mudanças que o Espírito fazia em Saul estavam apenas começando, mas o verso 11 relata os comentários do povo que via o jovem benjamita entre os profetas: “Que é que sucedeu ao filho de Quis?  Está também Saul entre os profetas?”.
No capítulo 11 de I Samuel temos a narrativa do jovem rei liderando um grupo de 330 mil homens de Israel contra os amonitas que se levantavam contra os israelitas de Jabes-Gielade (os amonitas propuseram que todos os homens de Jabes arrancassem o olho direito e lhes deram 7 dias de prazo!).  Saul liderou seu povo para a vitória e o verso 6 acrescente: “então o Espírito de Deus se apoderou de Saul...”.
É o Espírito Santo de Deus quem faz toda a diferença em nossas vidas e nos torna capazes de viver os propósitos que o Senhor tem para nós. Enquanto Saul viveu na dependência do Espírito, sua vida foi abençoada.  Tudo mudou quando ele se colocou na rebeldia e na desobediência, anos mais tarde.
Observe o que Jesus disse em João 14:12 “Em verdade, em verdade vos digo: aquele que crê em mim, esse também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas; porque eu vou para o pai.”  Veja que Jesus foi muito claro em dizer do que poderia ocorrer na vida de quem nele cresse: fazer o que Ele fez e até coisas maiores!
E qual o segredo para que esta promessa de Jesus se cumpra?  O Espírito Santo.  É sobre o Espírito Santo que o Senhor fala na sequência deste mesmo capítulo de João:  “E eu rogarei ao pai, e ele vos dará outro Ajudador, para que fique convosco para sempre, a saber, o Espírito da Verdade, o qual o mundo não pode receber;  porque não o vê nem o conhece;  mas vós o conheceis, porque ele habita convosco, e estará em vós.”.
    Fonte;   Paulo Rogério Petrizi.


Simbolismo e iconografia;

Símbolos;

O Espírito Santo é frequentemente referenciado através de metáforas ou símbolos, tanto doutrinariamente quanto biblicamente. Teologicamente falando, estes símbolos são importantes para entendê-lo e não são apenas representações artísticas.
  • Água - significa a ação do Espírito Santo no batismo, pois após a invocação do Espírito Santo ela se torna sinal sacramental eficaz do novo nascimento: assim como a gestação de nosso primeiro nascimento se operou na água, da mesma forma também a água batismal significa realmente que nosso nascimento para a vida divina nos é dado no Espírito Santo. como em «Em um só Espírito fomos batizados todos nós em um só corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres; e a todos nós foi dado beber dum só Espírito» (I Coríntios 12:13). Assim, o Espírito é também pessoalmente a água viva que se derrama de Cristo crucificado (João 19:34 e I João 5:8) nos cristãos levando-os à vida eterna. . O Catecismo da Igreja Católica, no item 1137, considera a referência à Água da Vida em Apocalipse 21:6 e em Apocalipse 22:1 "um dos mais belos símbolos do Espírito Santo". .
  • Unção - o simbolismo da bênção com óleo também se refere ao Espírito Santo, a ponto de se tornar um sinônimo dele. A vinda do Espírito é chamada de "unção" (em II Coríntios 1:21, por exemplo). Em algumas denominações, a unção é praticada na confirmação (ou "crisma"). O próprio título "Cristo" (em hebraicoMessiah) significa "ungido" pelo Espírito de Deus. . A humanidade que o Filho assume é totalmente "ungida do Espírito Santo". A Virgem Maria concebe Cristo do Espírito Santo, que pelo anjo o anuncia como Cristo por ocasião do nascimento dele e leva Simeão a vir ao Templo para ver o Cristo do Senhor[45] . Esta Unção (o Espírito Santo) plenifica Jesus manifestando-se com o poder que dele sai em seus atos de cura e salvação. É finalmente Ele que ressuscita Jesus dentre os mortos, em cuja humanidade vitoriosa da morte, pode agora difundir em profusão o Espírito Santo até "os Santo" constituírem, em sua união com a Humanidade do Filho de Deus, "esse Homem perfeito... que realiza a plenitude de Cristo"(Ef 4,13): "o Cristo total", segundo a expressão de Sto. Agostinho[46] .
  • Fogo - simboliza a energia transformadora das ações do Espírito Santo. Na forma de "línguas de fogo", o Espírito Santo se deitou sobre os discípulos na manhã de Pentecostes. . Fogo que transforma o que toca.
  • Nuvem e luz - Estes dois símbolos são inseparáveis nas manifestações do Espírito Santo. Nas teofanias do Antigo Testamento, a Nuvem, ora escura, ora luminosa, revela o Deus vivo e salvador, escondendo a transcendência de sua Glória: com Moisés sobre a montanha do Sinai, na Tenda da Reunião e durante a caminhada no deserto; com Salomão por ocasião da dedicação do Templo. O Espírito Santo se aproximou da Virgem Maria e a "envolveu com sua sombra", para que ela pudesse conceber e dar à luz Jesus (em Lucas 1:35). Na montanha da transfiguração, o Espírito na "veio uma nuvem que os envolvia", a Jesus, MoisésEliasPedroTiago e João, e "Dela saiu uma voz, dizendo: Este é o meu Filho, o meu escolhido, ouvi-o." (Lucas 9:34-35)[43] Essa Nuvem que "subtrai Jesus aos olhos"dos discípulos no dia da Ascensão e que o revelará Filho do Homem em sua glória no Dia da sua Vinda.
  • Selo - simbolismo muito próximo ao da unção, pois é Cristo que "Deus marcou com seu selo"(Jo6,27) e é nele que também o Pai nos marca com seu selo. Simboliza um sinal (caráter) indelével que o Espírito Santo deixa impresso nos sacramentos do batismo, da confirmação e da ordem, que não podem ser reiterados.
  • Mão - é impondo as mãos que Jesus cura os doentes e abençoa as criancinhas. Em nome dele, os apóstolos farão o mesmo. Melhor ainda: é pela imposição das mãos dos apóstolos que o Espírito Santo é dado. A Igreja conservou este sinal da efusão onipotente do Espírito Santo em suas epicleses sacramentais.
  • Dedo - "É pelo dedo de Deus que (Jesus) expulsa os demônios  "(Lc11,20). Se a Lei de Deus foi escrita em tábuas de pedra "pelo dedo de Deus"(Ex31,18), a "letra de Cristo", entregue aos cuidados dos apóstolos, "é escrita com o Espírito de Deus vivo não em tábuas de pedra, mas em tábuas de carne, nos corações (2Cor 3,3). O hino "Veni, Creator Spiritus"(Vem, Espírito Criador) invoca o Espírito Santo como "dedo da direita paterna" (digitus paternae dexterae).
  • Pomba - quando Cristo saiu das águas do Rio Jordão no seu batismo, o Espírito Santo, na forma de uma pomba, pousou sobre ele e ali permaneceu (Mateus 3:16). .
  • Vento ou sopro - o Espírito também já foi comparado a "o vento que sopra onde quer" (João 3:8 e descrito como "um ruído vindo do céu, como de um vento impetuoso" (Atos 2:2)..

Representações na arte;

O Espírito Santo tem sido representado na arte cristã, tanto no ocidente quanto no oriente, de várias formas, variando de pombas, chamas até pessoas quase idênticas na Santíssima Trindade. .

Na cultura popular;

Coroa do Espírito Santo, Ilha de Santa Maria (Açores, 2008).
O culto ao Divino Espírito Santo, em suas diversas manifestações, é uma das mais antigas e difundidas práticas do catolicismo popular brasileiro. Sua origem remonta às celebrações realizadas em Portugal a partir do século XIV, nas quais a terceira pessoa da Santíssima Trindade era festejada com banquetes e distribuição de esmolas aos pobres. As Festas do Império do Divino Espírito Santo tem origem em Alenquer (Portugal) com a rainha santa Isabel. A mulher do rei D. Dinis iniciou um modelo festivo em que o Espírito Santo impera na figura de um pessoa do pessoa do povo.
Essas celebrações aconteciam cinquenta dias após a Páscoa, comemorando o dia de Pentecostes, quando o Espírito Santo desceu do céu sobre os apóstolos de Cristo sob a forma de línguas como de fogo, segundo conta o Novo Testamento. Desde seus primórdios, os festejos do Divino, realizados na época das primeiras colheitas no calendário agrícola do hemisfério norte, são marcados pela esperança na chegada de uma nova era para o mundo dos homens, com igualdade, prosperidade e abundância para todos.
A devoção ao Divino encontrou um solo fértil para florescer nas colônias portuguesas, especialmente no arquipélago dos Açores. De lá, espalhou-se para outras áreas colonizadas por açorianos, como a Nova Inglaterra, nos Estados Unidos, e diversas partes do Brasil.
É provável que o costume de festejar o Espírito Santo tenha chegado ao Brasil já nas primeiras décadas de colonização. Hoje, a festa do Divino pode ser encontrada em praticamente todas as regiões do país, do Rio Grande do Sul ao Amapá, apresentando características distintas em cada local, mas mantendo em comum elementos como a pomba branca e a santa coroa, a coroação de imperadores e a distribuição de esmolas.








Paulo Rogério Petrizi.
Fonte; Wikipédia Enciclopédia livre.  
Fonte; Conheça seu Anjo;  EDT. Nova Cultural.
Fonte; Anjos Cabalísticos;   EDT;  Companhia dos Anjos
Fonte;  Salmos e Anjos; EDT.  Alto Astral.
Fale comigo; jacintavs1@gmail.com